Depressão:

Distúrbio mental caracterizado por depressão persistente ou perda de interesse em atividades, prejudicando significativamente o dia a dia.​

 

  • Muito comum

  • Casos por ano: mais de 2 milhões (Brasil)

  • O tratamento é feito com auxílio médico

  • Médio prazo: resolve-se em questão de meses

  • Requer um diagnóstico médico

  • Não requer exames laboratoriais ou de imagem

As causas possíveis incluem uma combinação de origens biológicas, psicológicas e sociais de angústia. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses fatores podem causar mudanças na função cerebral, incluindo alteração na atividade de determinados circuitos neuronais no cérebro.

A sensação persistente de tristeza ou perda de interesse que caracteriza a depressão pode levar a uma variedade de sintomas físicos e comportamentais. Estes podem incluir alterações no sono, apetite, nível de energia, concentração, comportamento diário ou autoestima. A depressão também pode ser associada a pensamentos suicidas.

A base do tratamento geralmente inclui medicamentos, psicoterapia ou uma combinação dos dois. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses tratamentos podem normalizar alterações cerebrais associadas à depressão.

A sensação persistente de tristeza ou perda de interesse que caracteriza a depressão pode levar a uma variedade de sintomas físicos e comportamentais. Estes podem incluir alterações no sono, apetite, nível de energia, concentração, comportamento diário ou autoestima. A depressão também pode ser associada a pensamentos suicidas.

As pessoas podem ter:

No humor: ansiedade, apatia, culpa, descontentamento geral, desesperança, mudanças de humor, perda de interesse, perda de interesse ou prazer nas atividades, solidão, tristeza, tédio ou sofrimento emocional

No comportamento: agitação, automutilação, choro excessivo, inquietação, irritabilidade ou isolamento social

No sono: despertar precoce, excesso de sonolência, insônia ou sono agitado

Na cognição: falta de concentração, lentidão durante atividades ou pensamentos suicidas

No peso: ganho de peso ou perda de peso

No corpo: fadiga ou fome excessiva

Também é comum: depressão, abuso de substâncias, falta de apetite ou repetição incessante de pensamentos.

O tratamento consiste no uso de antidepressivos e psicoterapia.

A base do tratamento geralmente inclui medicamentos, psicoterapia ou uma combinação dos dois. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses tratamentos podem normalizar alterações cerebrais associadas à depressão.

Tratamentos

Especialistas

Psicólogo clínico, Psiquiatra e Clínico geral

Fontes: Hospital Israelita A. Einstein e outros.

Rua Caiubí, 1579 - Perdizes - SP

Telefone: 11 3042-6241

WhatsApp: 11 3042-6241

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida.
Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.

©2019 por DrPsico.